Futsal feminino e formação social

O futebol é um esporte fascinante. Tido como paixão nacional é capaz de promover a sociabilização e também trazer benefícios à saúde. Na Fundação Otacílio Gama, o futebol é mais que isso, é uma ferramenta de cidadania e serve para ajudar vários jovens a acreditar na esperança de um futuro melhor.

Dentre outras modalidades oferecidas pela Fundação, o futsal feminino vem ganhando destaque e atenção de meninas que vêem no esporte o sonho de um dia tornarem-se atletas profissionais. Juliana Priscila, 23 anos, fala de sua paixão pelo esporte. “Comecei a jogar futsal com 12 anos, mas minha família me obrigava a fazer balé, só que logo depois, a paixão pela bola falou mais alto e hoje quero seguir a carreira de atleta. È o meu sonho”, afirma.

Apesar dos sonhos, ela confessa que sofreu preconceitos e dificuldades e dá um alerta para as garotas que tem o mesmo sonho. “Para as meninas que querem ser atletas de futsal, a palavra é não desistir, jamais”, avisa.

A persistência em busca de um sonho também motivou Ana Cristina Olegário, que hoje é professora e técnica de futsal da Fundação. Ela conta que começou a praticar o esporte cedo, aos 15 anos e que para ela o futebol é capaz de vencer barreiras, sendo um aliado na educação e na formação de cidadania. “O esporte torna-se uma ferramenta para livrar essas meninas das drogas. Não oferecemos apenas aula de futsal feminino. Damos aulas de cidadania e inclusão social baseada no tripé esporte, família e educação”.

Para conhecer mais e participar

Os treinos de futsal acontecem às segundas e quartas-feiras, das 13h às 14h30.  As inscrições podem ser feitas na Fundação, localizada na Av. Mandacaru, 181 – Padre Zé. Os documentos necessários são: comprovante de matrícula escolar, registro de nascimento, comprovante de endereço e foto 3×4.